Vencer à Nossa Maneira ou Apenas Vencer e Ponto Final?


«Não inventei nada, apenas vejo o futebol desta forma, com ligações entre os jogadores e criando um estilo de jogo que os beneficie. Quero que peguem na bola, que ataquem, que marquem golos. Não sei quantos títulos iremos ganhar, mas quando me reformar posso dizer que estive em Inglaterra e consegui que esta equipa jogasse como eu queria.»
Estas palavras, proferidas por Pep Guardiola no início desta semana, revelam algo de muito importante. Mais do que uma declaração de intenção, indicam aquela que é a essência do Futebol para Guardiola: ser o “dono da bola”, ser o protagonista, dominar e controlar com bola, de acordo com aquelas que são as suas ideias e as suas crenças.
Mais do que as vitórias e os títulos ainda por alcançar, aquilo que move o treinador catalão é colocar as suas equipas a jogar o seu jogo, a praticar o Futebol que ele mesmo idealiza e com o qual sonha ver jogado em campo. É óbvio que é através desse mesmo jogar que Guardiola pretende vencer e somar títulos, mas torna-se clara e evidente a sua “obsessão” em ter todas as suas equipas a jogar de acordo com aquilo que pretende. Uma “obsessão” maior do que a própria sede de vitórias.
Quantos Treinadores no Mundo pensam e agem desta forma? Já repararam que a maioria dos Treinadores preocupa-se apenas em ganhar, seja de que forma for, nem que para isso tenham de fazer da bola...a última peça do seu puzzle? Que a maioria dos Treinadores prefere ganhar de qualquer maneira a ganhar à sua maneira (seja em que realidade for)?


Feliz ou infelizmente é a isso que assistimos no dia-a-dia da maioria dos clubes. Com muitos ou poucos recursos financeiros, com objectivos mais ou menos ambiciosos, com maior ou menor qualidade em termos de recursos humanos, diria que 90% dos Treinadores de Futebol preocupam-se essencialmente em ganhar. Seja de que maneira for, mesmo que por vezes seja através de um caminho em que (inicialmente) não acreditam, mas que supostamente os poderá levar a um patamar mais elevado.
Mas será que ganhar de qualquer maneira não passa a ser a maneira de ganhar de um Treinador, isto é, a “sua” maneira de ganhar? Mesmo que seja por caminhos bastante diferentes daqueles que o levaram a inscrever-se no curso de Treinador?
As respostas a estas questões deixo-as para os leitores do Futebol Apoiado. Tenho a minha perspectiva, como é óbvio, e creio que aqueles que me seguem neste blog sabem perfeitamente bem o que penso. Mas o mais importante aqui é perceber o que pensam os leitores acerca deste tema.
Tal como importa questionar se ganhar será realmente o mais importante na vida de um Treinador de Futebol...Será? E o que valerá mais: ganhar de qualquer maneira ou conseguir fazer com que todas as nossas equipas joguem precisamente dentro daquilo que idealizamos, mesmo que nem sempre se vença?


Cada qual terá a sua opinião, mais ou menos bem fundamentada, e acredito que todas as opiniões são e serão válidas para o alimentar de um debate que eu espero que venha a ser lúcido e benéfico para todos quantos nos seguem. Pessoalmente sou apologista da linha de pensamento de Guardiola. Não sei durante quantos anos mais exercerei as minhas funções de Treinador, mas sei que entre ganhar à minha maneira e vencer de qualquer maneira...prefiro ganhar à minha maneira. Até porque acredito que as minhas equipas estão sempre mais próximas do sucesso através “da minha maneira”.
E se eventualmente o futuro me desse a escolher entre uma carreira menos recheada de títulos, mas a jogar o Futebol que me vai na alma, e uma sala de troféus ganhos à base do “vale tudo”...eu nunca iria ter uma sala repleta de troféus.
“ (...) Não sei quantos títulos iremos ganhar, mas quando me reformar posso dizer que estive em Inglaterra e consegui que esta equipa jogasse como eu queria (...) “


                                                                         Laurindo Filho

2 comentários:

  1. Amigo não sou o Guardiola, sou o João Mota treinador dos sub 20 da Portuguesa em São Paulo, sou Portugues mas vivo no Brasil e quanto ao assunto do texto eu concordo com o Guardiola e também não abdico de jogar com a bola no chão, querer a participação de toda a equipa no jogar que treinamos, não quero ganhar a qualquer custo, mesmo que isso me custe o lugar no trabalho, essa é uma das minhas convicções como Treinador...Se Jogar bem posso ganhar mais vezes. Jogar bem para mim é saber criar espaços para jgar e cortar os espaços ao adversário para que ele não Jogue. Defender longe da minha baliza e jogar para fazer Golo que é a essência do jogo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada um tem a "sua maneira" de jogar, gostem mais ou menos. É uma questão estética, o que é de valorizar é um treinador criar uma identidade na equipa. Temos exemplos, de mourinho e simeone. Que não tem aquele jogo ofensivo e atrativo que muitos não gostam, mas não deixa de ser a sua maneira de jogar. E isso sim é de valorizar, um treinador ser capaz de meter o seu ADN na equipa que treina, seja mais bonito ou feio aos olhos de quem o vê

      Eliminar

Com tecnologia do Blogger.