“Vai Ser Difícil Jogar…Vou Desistir!”



Embora não tenha sido um jogador de destaque lembro-me bem o que era no meu tempo, ter um concorrente para a minha posição. Via-se sempre isso de bom agrado, sem desejar mal à concorrência, mas como um estímulo à competição interna. Sabíamos que o “melhor nos treinos”, durante a semana, seria o preferido a jogar nesse fim-de-semana!
 Em outra “galáxia”, mas não deixando de ser exemplificativo, Cristiano Ronaldo já por diversas ocasiões confidenciou que a concorrência ajuda-o a ser melhor jogador! Embora tente acreditar que no passado não era diferente do que atualmente se passa e que agora não está tudo diferente, a cada semana mais me convenço que estou enganado!
Lembro-me que quando não tínhamos lugar na equipa inicial do fim-de-semana e comentássemos em casa a situação, ouvia-se algo do género: “trabalha mais e treina melhor que vai chegar a tua oportunidade”! Nem pensar em pedir aos pais para que falassem com o treinador pedindo-lhe qualquer tipo de justificações…
Atualmente os jovens atletas vivem cada vez mais na dependência dos pais e isso leva-os a evitarem experiências capazes de estimular as suas competências e habilidades e a descobrirem o mundo real, com os seus próprios olhos… É por isso comum que os jovens atletas não gostem de ter um novo colega no plantel, com medo da competição. Preferem ser a única opção pois, treinando-se bem ou mal, irão sempre a jogo, mesmo que isso prejudique todo o plantel.
E às primeiras dificuldades, luta-se, dá-se tudo, treina-se duro? Não!... Nestes momentos desiste-se! Mentalizar desde cedo que os homens se veem nas derrotas, torna qualquer criança mais forte e mais sensível à humildade na hora de saber ganhar. Os insucessos fazem parte da vida! Aprender com eles é fundamental para o crescimento e desenvolvimento humano.
Grande parte dos atletas apenas se vê num contexto de sucesso pessoal, que neste caso é o de estar convocado e a jogar de início. Preferem estar num clube onde perdem consecutivamente, mas jogam, do que inseridos num contexto de sucesso onde vão aprender e evoluir, mas onde têm concorrência nas suas posições do campo e onde por vezes apenas veem jogar. Muitas vezes são os próprios treinadores, em escalões como juvenis e juniores, que têm de estimular os atletas a não desistirem e mostrarem que confiam na sua evolução e capacidades, para darem mais em campo.
Mais estranho ainda são aqueles jovens atletas que logo no início da pré-época fazem a leitura sobre a sua utilização ao longo da época, quando nem o próprio treinador conhece o grupo e provavelmente nem sabe o sistema tático a utilizar, em função desse grupo!
Uma das sensações mais positivas na competição interna é o jogador perceber que ganhou o seu espaço com o seu trabalho e o seu empenho. Ter lugar garantido na equipa porque não há concorrente de posição, parece-me de mentalidades pouco ambiciosas e redutoras. 



Que jovens são estes para o futuro? Se desistem do futebol às primeiras dificuldades, como será na sua vida? Como chegarão longe nos estudos? Como irão fazer esforços para trabalhar? Será que vão desistir de tudo isso?
Numa altura que se fala do abandono desportivo penso que a falta de trabalho e falta de persistência dos atletas são os grandes fatores do seu abandono. Se tens um concorrente à altura, luta e trabalha que o teu momento vai chegar! Se não tens concorrência trabalha na mesma como se o tivesses!

                                              
                                                                                          Rui Gomes




2 comentários:

  1. Bom artigo. Revejo-me no mesmo, tenho um miúdo que começou a jogar aos 5 anos e tem tido uma luta constante com os colegas mais velhos para progredir. Fica o convite para passar pelo canal no YouTube e acompanhar a evolução do Henrique

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário. O importante é nunca desistir e trabalhar sempre nos limites.
      Cumprimentos e boa sorte para o Henrique.

      Eliminar

Com tecnologia do Blogger.