Motivar um Plantel Curto através dos Sistemas Tácticos


Nem todos os Treinadores têm a sorte de ter à sua disposição um plantel com vinte e sete jogadores: vinte e quatro jogadores de campo e três guarda-redes. Nem todos os Treinadores têm a sorte de poder ir buscar jogadores à Equipa B sempre que necessário. E nem todos os Treinadores têm a sorte de pertencer a uma estrutura em que os jogadores do escalão abaixo podem “subir” sem restrições à sua equipa. Aliás, alguns nem sequer têm o escalão abaixo do seu para poder suprir uma eventual necessidade...
Ou seja, há Treinadores que acabam por ter de saber lidar com um plantel curto (em opções) à sua maneira, sendo certo que nunca é fácil trabalhar com plantéis parcos em opções, por muita polivaliência que exista no seio do grupo. É fácil constatar que há jogadores que se acomodam com a sua situação, seja ela a de suplente, seja ela a de titular, pois sabem que basta irem aos treinos (na realidade amadora é tão comum) para serem convocados. Nem sequer precisam de ir treinar, basta apenas irem aos treinos!
Ora, este cenário está longe de ser ideal para quem deseja fazer um bom trabalho e ser reconhecido. Mais longe ainda para quem deseja fazer um bom trabalho, ser reconhecido e chegar ao Profissionalismo, tanto em Portugal como fora de portas. 


Imagine agora o leitor que é Treinador de um plantel sénior com apenas dezasseis jogadores (dois guarda-redes e quatorze jogadores de campo). O que faria para motivar um plantel que não chega a completar uma ficha de jogo? O que faria para motivar um grupo de trabalho cujos jogadores precisam apenas de ir aos treinos para conseguirem ser convocados? Como conseguir que este mesmo plantel assimile, alcance e demonstre qualidade de jogo (ou seja, qualidade de trabalho)?
Não havendo uma resposta certeira nem uma fórmula mágica, vou avançar com uma opção que, a princípio, tanto poderá parecer-vos estranha (caso nunca tenham pensado nisso) como poderá fazer sentido (caso já tenham seguido por este caminho). E essa opção é...a alternância dos sistemas tácticos da equipa.
Acredito que alguns leitores possam considerar este argumento como um ultraje ou uma infâmia futebolística. Aceito toda e qualquer leitura, mas sei que só podemos valorizar ou condenar uma ideia/um argumento depois de a/o utilizarmos e a/o tentarmos colocar em prática. E sendo certo que a cada Treinador cabe a responsabilidade de conhecer o seu grupo de trabalho ao ponto de poder decidir o que é melhor para ele...
Importa dizer que se o leitor pretende enveredar por este caminho (a alternância dos sistemas tácticos da equipa), então é porque conhece perfeitamente bem os seus pupilos e sabe que eles vão reagir positivamente aos novos estímulos apresentados por si e pela sua equipa técnica sempre que necessário. Sabe que eles estarão dispostos a aprender e a assimilar novas ideias e novos conceitos porque estão ávidos de aprendizagem. E isso é extremamente gratificante para um Treinador. Especialmente ao nível sénior...
Mas, afinal, é mesmo possível seguir este caminho? Estar sempre a alterar o sistema táctico da equipa?


Nem sempre, nem nunca, como diria o Povo. Mas eu defendo que uma boa equipa deve saber jogar de várias formas, tenham elas por base o mesmo Modelo de Jogo ou não. Acredito, e trabalho nesse sentido, que uma equipa deve saber jogar em, pelo menos, três sistemas tácticos diferentes: um com quatro defesas, x médios e um avançado (1x4x3x3, 1x4x2x3x1, 1x4x4x1x1), um com quatro defesas, x médios e dois avançados (1x4x4x2 clássico, 1x4x4x2 losango, 1x4x1x3x2) e um sistema com três defesas (1x3x5x2, 1x3x4x3 clássico, 1x3x4x3 losango).
Mesmo a nível distrital? Claro. E porque não? Mesmo a nível distrital. Não pode haver desculpas. Só se desculpa quem é preguiçoso ou quem não ousa fazer algo diferente!
E se ainda duvidam que trabalhar vários sistemas tácticos e alterná-los de quando em vez no momento de preparar o próximo jogo é benéfico para a potencialização dos índices anímicos de uma equipa, deixem-me que vos diga que é uma das melhores e mais eficazes formas de manter todos os jogadores disponíveis para o trabalho e motivados para o treino e para o jogo.


Porque nem todos se adaptam aos mesmos sistemas tácticos. Porque há uns que sobressaem mais a jogar sozinhos no corredor central do meio-campo. Porque há defesas-laterais que se destacam mais num determinado sistema que não exija demasiado apoio ofensivo da sua parte. Porque há avançados que “casam” muito bem com outros avançados. E isso leva a que todos acreditem que podem jogar. Porque, de facto, podem! E jogam! Basta que o Treinador não “trema” a partir do momento em que decida trilhar este caminho...
Tenho tido a particularidade de trabalhar sempre com plantéis reduzidos. Antes na Formação, agora nos Seniores. E com o passar dos anos dei-me conta de que os jogadores querem ganhar, mas querem essencialmente estar motivados, pois sem motivação não podem render e, consequentemente, ganhar.
Como tal, tenho aprendido que um plantel curto pode ser motivado através dos sistemas tácticos. Neste caso, da alternância dos sistemas tácticos e da riqueza que pode advir dessa mesma situação. Não é um caminho fácil, mas, se fosse, não seria para nós, pois não, caros Leitores/Treinadores?

                                                                         Laurindo Filho



Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.