O Discurso de Apresentação de um Treinador

(Sérgio Conceição no seu discurso de apresentação no FC Porto)

“Eu não vim para aprender, vim para ensinar“. Terá sido esta a frase mais sonante de todo o discurso de apresentação de Sérgio Conceição, no seu primeiro discurso público enquanto Treinador do FC Porto. Uma frase reveladora da ambição, da confiança e da sede de vitórias do antigo técnico do Nantes…mas igualmente um “recado” para todos aqueles que poderiam (ou poderão) vir a desconfiar de mais esta aposta de Pinto da Costa num Treinador sem grandes conquistas alcançadas.
A verdade é que grande parte das pessoas que assistiram à cerimónia de apresentação do antigo extremo direito dos dragões fixaram bem aquela frase. Em conversas de café, em tertúlias futebolísticas, nas capas dos jornais, enfim, um pouco por todo o lado, era disso que se falava no dia seguinte. Porquê? Porque foi claramente a ideia forte do discurso de Sérgio Conceição. Mais do que o habitual chavão “estamos aqui para ganhar todos os jogos, para vencer todas as competições”, foi com o “eu não vim aqui para aprender, vim para ensinar” que o novo Treinador portista captou a atenção de tudo e de todos.
Tendo em conta isto, que tal olharmos para outros discursos de apresentação marcantes, de modo a percebermos o que será melhor para cada um de nós, jovens Treinadores aspirantes ao profissionalismo?


          “Apertem os cintos, porque estamos prestes a iniciar uma viagem”. Eis uma das frases mais enigmáticas do discurso de apresentação de Pep Guardiola como Treinador do FC Barcelona. Uma frase que aguçou a curiosidade de todos quantos queriam saber até que ponto um Treinador inexperiente teria capacidade para comandar os destinos de uma das melhores equipas do Mundo. O resto já todos nós sabemos: em quatro anos Guardiola recriou e aprimorou o Dream Team de Cruijff, criando a máquina futebolística mais perfeita que eu alguma vez vi.
O enigma presente nesta frase proferida em público contrastou com a clareza do discurso do técnico catalão aquando da sua primeira palestra com o seu grupo de trabalho: “ Senhores, bons dias. Não vou criticá-los se falharem um passe ou um cabeceamento que nos custe um golo, desde que estejam a dar 100 por cento. Não vou perdoar se não derem o vosso coração e a vossa alma ao Barcelona. Não estou a pedir resultados, apenas rendimento. Isto é o Barcelona, senhores.”
Guardiola cativou ainda mais os seus pupilos quando lhes mostrou o caminho: “O estilo de jogo vem determinado pela história do Barcelona e vamos ser fiéis a ela. Quando tivermos a bola, não a podemos perder. Quando isso acontecer, temos de correr e recuperá-la. Isso é tudo, basicamente” e lhes assegurou que “estamos aqui para nos ajudarmos uns aos outros e assegurar que há paz espiritual, para que os jogadores não sintam tensão e que não haja tensão. Não somos pequenos grupos, porque isso é o que acaba por matar o espírito de equipa”.


José Mourinho é um dos melhores comunicadores do Mundo, no que diz respeito a Treinadores. Tanto que torna-se difícil escolher as frases mais marcantes dos seus discursos de apresentação. Mas ainda assim é possível “agarrar” em três ou quatro frases que ficaram (e ficarão) para sempre na História das apresentações oficiais de Treinadores.
Quem não se lembra da sua chegada ao FC Porto, a meio da época 2001/2002, e do seu momento alto aquando do seu discurso de apresentação, quando desafiou tudo e todos ao afirmar que “o FC Porto será Campeão Nacional na próxima época”? Lembram-se do “escândalo” criado à volta desta frase? Quem não se lembra do épico “I won the Champions League, i’m sorry but i think i’m special” aquando da sua apresentação em Stamford Bridge?
E em ambas as situações, o que aconteceu às equipas lideradas por José Mourinho? Tal como com Pep Guardiola, fez-se História. O FC Porto de 2002/2003 e 2003/2004 foi uma das equipas que mais me marcaram enquanto Treinador e o Chelsea voltou a ser grande, de tal modo que ainda hoje vive das bases vencedoras lançadas e promovidas pelo técnico português.


Então e nós, jovens Treinadores que ambicionamos chegar ao Profissionalismo? O que podemos nós aprender e depreender de todos estes exemplos? Devemos/podemos copiar os estilos, os discursos? Devemos/podemos apostar num replicar de ideias?
Sinceramente, e até porque não existem fórmulas mágicas quanto ao discurso, a minha opinião é simples e clara: devemos ser iguais a nós próprios, fiéis às nossas ideias, fiéis aos nossos valores, aos nossos princípios e aos nossos ideais. Não vale a pena querermos ser aquilo que não somos nem nunca seremos. Até porque como diz o Professor Manuel Sérgio, “é o Homem que se é que triunfa no Treinador que se pode vir a ser”.

                                                                          Laurindo Filho

2 comentários:

Com tecnologia do Blogger.