Chicotadas Psicológicas: Existem Critérios para a Escolha do Novo Treinador?


Por uma questão de consideração, começo por avisar o leitor de que este texto será um pouco mais polémico do que o habitual. A razão é simples: vou abordar uma das questões mais complexas do Futebol Português - a mudança de Treinadores. Mais vulgarmente conhecida como a “Chicotada Psicológica”.
Alguma vez pararam para pensar e analisar quais os critérios que levam a que um Treinador seja destituído do seu cargo e seja substituído por um novo Treinador? Alguma vez pensaram em analisar os dados estatísticos referentes às equipas que mudam de Treinador (uma e outra vez) ao longo da época? E será que alguma vez aprofundaram bem esta questão, ao ponto de olhar para o planeamento inicial da época de cada uma destas equipas que mudaram de Treinador, bem como para as semelhanças ou diferenças existentes entre quem sai e quem entra para o comando técnico das mesmas?
Ora bem, esta minha viagem pelas “Chicotadas Psicológicas” do Futebol Português passa um pouco por aí. Se quiserem embarcar comigo nesta viagem, serão obviamente bem-vindos. E espero que o façam, pois julgo ser importante perceber que a "culpa nunca morre solteira"…

Nacional da Madeira
NOME
JOGOS
VITÓRIAS
EMPATES
DERROTAS
GM
GS
PONTOS

Manuel Machado

15

3

2

9

14

25

11

Pedrag Jokanovic

10

0

6

4

3

16

6
A minha dúvida começa logo pela escolha do sucessor. Porquê Jokanovic? Pelos resultados obtidos ao longo da sua carreira como Treinador? Pelos seus famosos Processos de Treino que levam as suas equipas a praticar um Futebol ofensivo e atractivo? Por ser muito forte na componente psicológica?

Sporting de Braga
NOME
JOGOS
VITÓRIAS
EMPATES
DERROTAS
GM
GS
PONTOS

José Peseiro

13

8

2

3

24

12

26

Jorge Simão

11

3

5

3

11

9

14
Aparentemente não havia empatia entre José Peseiro e os adeptos, a equipa apresentava pouca qualidade de jogo (segundo adeptos e alguma Comunicação Social) e as eliminações da Liga Europa e Taça de Portugal foram rudes golpes para o “escudo protector” que procurava salvaguardar o trabalho de Peseiro nesta sua segunda passagem pela cidade dos arcebispos. 
Contudo, quem preparou a época foi José Peseiro, um treinador cujas equipas gostam de atacar, de assumir o jogo. Quando foram buscar Jorge Simão ao Chaves foi porque ele se enquadrava neste perfil de Treinador com vocação ofensiva? Será que se esqueceram de olhar para os números e para a forma como a equipa do Chaves jogava?
Ou contratou-se o “Treinador da moda na Comunicação Social”? Aquele que, para além da boa campanha realizada no clube flaviense, estava a conseguir algum tempo de antena na Comunicação Social devido ao seu discurso aparentemente assertivo?
Diziam que o Braga de Peseiro não jogava um futebol ofensivo nem atractivo...E o de Simão, joga?

Arouca
NOME
JOGOS
VITÓRIAS
EMPATES
DERROTAS
GM
GS
PONTOS

Lito Vidigal

21

8

3

10

21

28

27

Manuel Machado

4

0

0

4

2

11

0
Eu sei que Lito Vidigal saiu do Arouca porque decidiu abraçar um projecto mais ambicioso e mais consentâneo com as suas ambições pessoais e profissionais. Daí a minha análise à situação do Arouca estar mais relacionada com quem entrou do que com quem saiu...
           Depois de um início de época pouco feliz ao serviço do Nacional da Madeira, e sendo que os dados que aqui vos trago são do conhecimento geral e estão ao dispor de qualquer pessoa que queira despender 5 minutos de vida para fazer uma breve pesquisa, eis que o Arouca escolhe o Professor Manuel Machado.
Os números não poderiam ser mais esclarecedores: 4 jogos, 0 vitórias, 0 empates, 4 derrotas, 2 golos marcados, 11 golos sofridos, 0 pontos. Ou seja, Manuel Machado em 19 jogos da I Liga 2016/2017 (15 ao serviço do Nacional da Madeira e 4 ao serviço do Arouca) tem 3 vitórias, 2 empates, 14 derrotas, 16 golos marcados e 36 golos sofridos...
Alguém sabe explicar as razões desta escolha?

Tondela
NOME
JOGOS
VITÓRIAS
EMPATES
DERROTAS
GM
GS
PONTOS

Petit

16

2

4

10

13

27

10

Pepa

9

1

3

5

4

16

6
Aqui temos o inverso da situação vivida em Braga: inicia-se a época com um Treinador mais defensivo e contrata-se um substituto com ideias mais ofensivas…
Faz sentido este género de opção? O Treinador que chega, neste caso Pepa, tem os recursos humanos indicados para poder levar a cabo as suas ideias e o seu Modelo de Jogo?

Estoril
NOME
JOGOS
VITÓRIAS
EMPATES
DERROTAS
GM
GS
PONTOS

Fabiano Soares

13

4

3

6

11

7

15

Pedro Carmona

11

1

2

8

6

15

5
Fabiano Soares sofreu com as constantes mexidas no plantel. Chegou Pedro Carmona. Que durou apenas 3 meses e não trouxe nada de novo ao Futebol canarinho e português. A não ser o pormenor que nos leva a perceber que os espanhóis também gostam de falar de arbitragem.
Apesar do CV interessantíssimo (muito mais rico e vasto do que o meu, por exemplo), a questão que vos coloco é: o que levou a que a escolha recaísse sobre Carmona? Terá sido a sua experiência como Treinador Principal? Ou o CV por si só chegou para despertar a atenção de quem manda no clube?
Sinceramente, espero que tenha sido uma destas opções…imaginem se esta escolha fosse mais uma daquelas cujo factor decisório final esteve relacionado com investidores ou patrocinadores…

Desportivo das Aves
NOME
JOGOS
VITÓRIAS
EMPATES
DERROTAS
GM
GS
PONTOS

Ivo Vieira

28

15

8

4

42

26

53

José Mota

3

0

2

1

3

4

2
Alguém quer se pronunciar acerca da substituição de um Treinador que estava em 2º Lugar e em perfeitas condições para alcançar a Subida de Divisão?


Como devem calcular, para um jovem Treinador como eu, que trabalha dia após dia para chegar ao patamar mais alto do Futebol nacional, europeu e mundial (acreditem ou não), estas escolhas parecem ilógicas. Porque não existem denominadores comuns entre elas. Mesmo sabendo que cada clube é um clube e cada caso é um caso. Porque não se registaram melhorias no rendimento destas equipas após a chegada dos novos técnicos. Basta olhar para os números. E para quem, como eu, for mais adepto da qualidade de jogo evidenciada em cada partida do que propriamente dos números, também se verifica que estas equipas não melhoraram a qualidade do seu jogo. Antes pelo contrário…
Assim sendo, e para terminar, sinto que devo partilhar convosco as perguntas que ainda pairam na minha mente:

      - Quais os critérios que justificam o despedimento de um Treinador (Qualidade de Jogo, Resultados, Processo de Treino)?

           - Quais os critérios utilizados na escolha de um novo Treinador?

           - Mas haverá realmente algum critério em todos estes processos?

                                                                                      Laurindo Filho

2 comentários:

  1. Parabéns Amigo por este Artigo, muito bom para nos ajudar a refletir sobre o nosso Futebol, que comporta muita gente"Competente" mas que alberga também muita,muita gente"Incompetente" mas com muito "Poder" por esta razão e por outras é que o nosso Campeonato é do mais fracos da Europa. Forte abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu comentário, Sr. Américo Nogueira.

      Infelizmente estamos a viver um período menos bom em termos de qualidade futebolística no principal campeonato do nosso país. É um facto e não há como negá-lo.

      Continue a acompanhar-nos.

      Cumprimentos

      Eliminar

Com tecnologia do Blogger.